Contabilidade para Investidores

Indicadores

Ao final da divulgação dos resultados de cada trimestre, com base nas demonstrações financeiras, o mercado se prepara para construir indicadores de desempenho.

Os indicadores tem o papel de subsidiar os investidores externos no processo decisório de investimento. Além de serem usados nas empresas para análise de performance interna, como um sistema de contabilidade gerencial.

De acordo com os resultados calculados, o comportamento dos gestores será orientado para o atingimento dos objetivos organizacionais.

Desta forma, os indicadores são considerados úteis para estimular os funcionários de uma empresa.

Podemos segmentá-los em:

  • Monetários (refletem o desempenho de curto prazo)
  • Não Monetários (refletem o desempenho de longo prazo).

Assim, o desempenho de uma empresa pode ser medido por indicadores referentes à rentabilidade, produtividade, eficiência, etc.

Principais indicadores

  1. Margem: Lucro Operacional Líquido / Receita Líquida

– Eficiência das vendas (capacidade em gerar lucros por real R$ vendido).

  1. Margem Líquida (Lucro Líquido / Receita Líquida)
  2. Margem EBIT (EBIT / Receita Líquida)
  • Margem Bruta (Lucro Bruto / Receita Líquida)
  1. Margem EBITDA (EBITDA / Receita Líquida)
  1. Giro: Receita Líquida / Ativo

– Produtividade do capital investido (capacidade de gerar receitas por real R$ investido).

  1. Gestão do CAPEX (Receita Líquida / Imobilizado)
  2. Gestão do Capital de Giro (Receita Líquida / Capital de Giro)
  3. c) ROE: Lucro Líquido / Patrimônio Líquido

– Rentabilidade do capital investido (capacidade da empresa em gerar retornos).

  1. ROIC (EBIT*(1-IR) / Capital total investido)
  2. ROA (Lucro Líquido / Ativo)
  3. d) EBITDA: EBIT + depreciação e amortização

– Potencial geração de caixa da empresa, vinda da operação.

– Capaz de medir a produtividade e eficiência, já que nos mostra como a empresa realmente se comporta, sem influência dos custos sobre os quais ela não controla.

  1. e) Conversão de caixa (Cash Convertion): Fluxo de Caixa das Operações / EBITDA

– Capacidade de converter EBITDA em fluxo de caixa operacional.

  1. f) Alavancagem: Dívida Líquida / EBITDA

– Utilizado para medir a solidez de uma empresa.

– Identificar quantas gerações de caixa operacional estão comprometidas com os bancos, líquido do caixa.

  1. g) Cobertura de Juros: EBITDA / Resultado Financeiro

– Capacidade do EBITDA em cobrir os juros provenientes de empréstimos e financiamentos.

  1. h) Determinação de Valor: Enterprise Value (Dívida Líquida + Valor de Mercado) / EBITDA

– Quanto vale uma empresa em proporção de geração de caixa.

– Múltiplo usado para comparar empresas de interesse, de mesma atuação no mercado.

  1. i) Liquidez: Ativo circulante / Passivo circulante

– Liquidez corrente, indica quanto a empresa possui de recursos disponíveis para quitar suas obrigações com terceiros.

– Utilizado para avaliar a capacidade de pagamento da empresa frente a suas obrigações de curto prazo.

  1. j) Imposto: IR / LAIR

– Mede a competência da empresa em termos de planejamento tributário.

Conclusão

Cabe ressaltar que estes resultados variam de empresa para empresa e dependem muito do setor em que atuam, estratégia competitiva, modelo de negócios e gestão.

Podemos afirmar que os indicadores de desempenho fazem parte de uma análise fundamentalista que tendem influenciar o valor da empresa no longo prazo.

Assim sendo, medir o desempenho da empresa no decorrer do tempo é fundamental para identificar uma boa gestão empresarial.

Não se trata apenas de uma prática contábil gerencial, mas sim de uma ação necessária no âmbito de investimentos de longo prazo, para saber se a empresa está trilhando o caminho desejado, ou quanto ainda falta para alcançar os objetivos.

Um acompanhamento diário das empresas

Comece o dia a frente do mercado com o relatório Suno Call Premium da Suno Research